Cisto de Baker

O joelho é uma das articulações mais exigidas pelo corpo, sendo fundamental para a locomoção e execução de diversos movimentos. Por isso, é uma região suscetível a lesões, que muitas vezes acontecem sem que surjam sintomas imediatos.


Uma das alterações que podem acometer o joelho é o cisto de Baker, também chamado de poplíteo. Trata-se do acúmulo de líquido que fica dentro das articulações, formando uma saliência atrás do joelho. Esse cisto pode ser discreto ou visível, e pode causar muitos incômodos na região quando o paciente realiza movimentos.


Causas e fatores de risco


A região do joelho possui o chamado líquido sinovial, uma espécie de lubrificante natural que fica dentro das articulações. Em geral, a produção e reabsorção deste elemento é equilibrada. Mas, em alguns casos, o líquido sinovial é gerado de maneira excessiva. Quando isso ocorre, ele passa a ser comprimido e empurrado, e se acumula na parte de trás do joelho, formando um nódulo.


Normalmente, o aparecimento do cisto de Baker está relacionado a algum outro problema no joelho, como doenças degenerativas e inflamatórias. Artrose, artrite, traumas e ruptura do menisco são patologias que podem levar o joelho a produzir muito líquido lubrificante, o que ocasiona o cisto.


Em crianças, o cisto de Baker pode surgir sem estar relacionado com problemas intra-articulares. Ele pode se desenvolver em pessoas de qualquer idade, mas, em geral, idosos têm mais propensão a ter o cisto, por ser uma faixa etária com mais riscos de desenvolver degeneração e inflamações no joelho.


Principais sintomas


Pessoas mais jovens, sobretudo crianças, não costumam apresentar sintomas além do nódulo atrás do joelho que caracteriza o cisto poplíteo. Porém, é comum que pacientes apresentem inchaço, dor intensa e rigidez na musculatura na região do nódulo.


Em alguns casos, os cistos ficam volumosos e podem se romper. O líquido, então, é extravasado para a panturrilha, o que causa dor e inchaço.


Como diagnosticar


Por ser palpável e visível na maioria dos casos, o cisto poplíteo pode ser muitas vezes diagnosticado com exame físico. Mas como ele normalmente surge devido a problema mais graves, é recomendado que seja feito um exame de ressonância magnética para descartar outras patologias, como aneurismas, trombose e tumores, e também para identificar as lesões articulares que levaram à formação do cisto.


Tratamentos


Nem sempre o cisto requer um tratamento específico. Em geral, é importante cuidar das lesões que o causaram. Quando o cisto é muito volumoso ou causa dor e limitação de movimentos, podem ser recomendados alguns tratamentos.


Sessões de fisioterapia podem ajudar a amenizar a doença que causou o aumento de líquido intra-articular, com aparelhos e exercícios que ajudam a reduzir dores e processos inflamatórios. Além disso, podem melhorar a musculatura da região e ajudar o paciente a retomar suas atividades, inclusive esportivas.


0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Telefone: (11) 3641-4163 ou

Celular: (11) 9 9559-5619

Estacionamento nos locais com manobrista

GERF Unidade Higienópolis

Rua Mato Grosso, 128 - 5º Andar

São Paulo - SP | CEP 01239-040

GERF Unidade Morumbi

Rua José Jannarelli, 75 - 4º Andar

Vila Progredior - São Paulo - SP | CEP 05615-000

Contato

© 2020 por GERF FISIOTERAPIA.

  • Grey Facebook Ícone
  • Cinza ícone do YouTube
  • Grey Instagram Ícone